FOI PRECISO AO HOMEM MUITO TEMPO PARA SE ELEVAR ACIMA DA NATUREZA!

TODA A ARTE É CONDICIONADA PELA SUA ÉPOCA... De Ernst Fischer
















segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

QUANDO UM HOMEM QUIZER


Tu que dormes a noite na calçada de relento

Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento

Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento

És meu irmão amigo

És meu irmão

E tu que dormes só no pesadelo do ciúme

Numa cama de raiva com lençóis feitos de lume

E sofres o Natal da solidão sem um queixume

És meu irmão amigo

És meu irmão

Natal é em Dezembro

Mas em Maio pode ser

Natal é em Setembro

É quando um homem quiser

Natal é quando nasce uma vida a amanhecer

Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar

Tu que inventas bonecas e comboios de luar

E mentes ao teu filho por não os poderes comprar

És meu irmão amigo

És meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei

Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei

Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei

És meu irmão amigo

És meu irmão

Natal é em Dezembro

Mas em Maio pode ser

Natal é em Setembro

É quando um homem quiser

Natal é quando nasce uma vida a amanhecer

Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Música: Fernando Tordo
Letra: Ary dos Santos
Intérprete: Paulo de Carvalho


1 comentário:

  1. Do ponto de vista do comentário talvez não curial, comentar o teu post sobre um poema do grande Ary dos Santos, musicado e interpretado por Paulo de Carvalho com um outro poema. Talvez!... Confio porem na tua capacidade de "entender" os amigos, na tua tolerância para com eles (nos quais me incluo) para abusar e ripostar com um outro poema, que fez parte de um trabalho sobre a matéria, porventura o melhor que se fez no campo da discografia para crianças.
    "OPERÁRIOS DE NATAL" com a colaboração de Ary dos Santos, Joaquim Pessoa, Fernando Tordo, Paulo de Carvalho e Carlos Mendes. A narrativa é feita por Maria Helena D'Eça Leal. Os arranjos são de Joaquim Luís Gomes e José Luís Simões.
    Desse magnifico trabalho deixo-te o tema "Os amigos", antes porem um palavra de apreço para o poema que destacas-te, que nada deve ao que eu destaco.

    Quem faz o Natal para todos nós?
    São os amigos
    Quem nos dá prazer e dá calor?
    São os amigos
    A quem é que damos a ternura?
    É aos amigos
    A quem é que damos o melhor?
    É aos amigos


    Os amigos são o nosso bolo de Natal
    Cada amigo nosso vale mais que um Pai Natal
    É um irmão nosso que trabalha no Natal
    E com suas mãos faz a diferença do Natal

    O dinheiro pouco importa
    O que importa é a verdade
    E a prenda mais valiosa
    É a prenda da amizade

    Quem faz das tristezas forças
    E das forças alegrias
    Constrói à força de Amor
    Um Natal todos os dias.

    ResponderEliminar