FOI PRECISO AO HOMEM MUITO TEMPO PARA SE ELEVAR ACIMA DA NATUREZA!

TODA A ARTE É CONDICIONADA PELA SUA ÉPOCA... De Ernst Fischer
















quarta-feira, 25 de maio de 2011

ESTRELAS DE SEMPRE

Robert Allen Zimmerman, mais conhecido com o seu nome artístico de BOB DYLAN, nasceu em 24 de Maio, de 1941no estado do Minnesota, EUA, fez por tanto hoje a bonita idade de 70 Anos e segundo dizem os seus amigos e conhecidos, para bem de quem gosta de música, está longe de se reformar.
O seu talento musical revelou-se desde muita tenra idade, começando a tocar piano, guitarra e a escrever poesia, destacando-se como vocalista de grupos de música rock.

                                       
A partir dos anos 60, Bob Dylan revela a suas preferências pela folk music, inflenciado por Woody Guntrie. The Freewhelliu atingiu enorme sucesso com a canção “Blowin In the Wind” que foi adoptada como o hino do movimento dos direitos cívicos. Durante alguns anos o cantor torna-se uma das vozes mais importantes da canção de protesto, ao lado de outra lenda mítica chamada Joana Baez.

                                        
Este período marcante da sua carreira, termina abruptamente com o álbum “The Times They Are a Chaging” e a canção intitulada “With God On Our Side” na qual o Dylan descreve o lado mais obscuro da história americana. Logo a seguir edita “Another Side of Bob Dylan” assumindo claramente uma ruptura radical com o estilo anterior, com os seus poemas de índole intimista e confessional.

Muitos dos seus admiradores acusaram o cantor de traição aos seus ideais e de submissão completa aos poderes instituídos que antes criticava. Esta atitude totalmente desfasada com os seus trabalhos anteriores é confirmada com o álbum, “John Wesley Harding” com canções que nos apresentam o artista com problemas pessoais, de ordem mística e religiosa que o afectaram profundamente, a partir do divorcio em 1977, de Sara Lowds com quem estava casado à muitos anos.

Nos anos 80, Bob Dylan, afasta-se do catolicismo e aproxima-se do judaísmo, religião de seus antepassados, o avô era um imigrante judeu. Os seus concertos são cada vez mais espaçados e apenas se realça a sua participação no movimento musical “We Are The World”, ao lado de grandes artistas, como Michael Jackson, Tina Turner, Ray Charles, Stevie Wonder, numa importante campanha contra a fome em África.
Nos anos mais recentes, os seus concertos vão sendo cada vez mais irregulares, cruzando-se os bons momentos com outros de pouco interesse musical, com alguns êxitos pontuais, como foi caso de em 2006, com o lançamento do álbum “Moder Times” que alcançou o top de vendas nos EUA.

                                     
Personagem muito complexa a deste grande artista, excepcionalmente dotado. No entanto, quer se goste ou não da sua obra, Bob Dylan será sempre uma das maiores referências como intérprete e compositor de canções fantásticas que ficarão para sempre a fazer parte da história da música a nível mundial e foi sem dúvida um dos ídolos da minha juventude que sempre associei no meu imaginário, como um dos companheiros de Joana Baez,Patsy Cline, Willie Nelson e Kenny Rogers.
Hoje que o cantor comemora o seu 70º. Aniversário para além de lhe prestar a minha modesta homenagem e que continue a trabalhar naquilo que tem sido a sua maior paixão – a música. Que continue a surpreender-nos pelo lado que consideramos ser o seu lado mais positivo.
Até sempre e felicidades Bob Dylan!
CV-24.05.2011
Martins Raposo
NOTAS: Apontamentos da Wiquipédia (Internet) e do Livro “BOB DYLAN – POEMAS” de Francisco Pacheco.

Sem comentários:

Enviar um comentário