FOI PRECISO AO HOMEM MUITO TEMPO PARA SE ELEVAR ACIMA DA NATUREZA!

TODA A ARTE É CONDICIONADA PELA SUA ÉPOCA... De Ernst Fischer
















quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

ESTRELAS DE SEMPRE

                       CARLOS DO CARMO

O Povo costuma dizer que “filho de peixe sabe nadar”. A sua Mãe, Lucília do Carmo foi uma cantora do fado que teve uma carreira fulgurante. Carlos do Carmo, nasceu em Lisboa, no dia 21 de Dezembro no ano de 1939, iniciando em 1963, a sua carreira com a canção “Loucura” que fazia parte do repertório de sua Mãe e que foi bem aceite pela crítica. A partir de então nunca mais parou até hoje, imprimindo desde o princípio um estilo muito pessoal, adoptando novos ritmos e composições musicais que exigiam a participação de novos instrumentos musicais.
Para além das influências que naturalmente adquiriu de sua Mãe, não deixam de ser importantes outras figuras que foram determinantes na sua carreira, tais como Amália Rodrigues, Alfredo Marceneiro e Maria Teresa de Noronha. Musicalmente, na bossa nova com João Gilberto, Tom Jobim e Ellis Regina nos blues americanos com Frank Sinatra e na canção francesa com o Jacques Brell e nos músicos portugueses, José Luís Tinoco, António Vitorino, Raul Nery e o Zeca, exerceram grande fascínio no jovem Artista que rapidamente granjeou as simpatias de um vasto público que se manteve fiel ao longo de toda a sua carreira.
Os temas escolhidos por Carlos do Carmo, apoiam-se em cenas e figuras populares da Lisboa dos Sec. Passado mas que ainda perduram em alguns bairros típicos da nossa Capital. Por outro lado não se inibe de dar voz aos nossos Poetas mais queridos. Os músicos que acompanham são de primeira água e alguns como o José Maria da Nóbrega já há mais de trinta anos que trabalham juntos.
Algumas das suas canções com as quais já percorreu o mundo inteiro, tornaram-se famosas na sua voz sensível e envolvente, como são o caso de “Um Homem na Cidade”, “Mais do que Amor é Amar”,”Por Morrer Uma Andorinha, “Lisboa Menina e Moça”, “Canoas do Tejo”, “Os Putos”, “O Homem das Castanhas” e muitas, muitas mais. O seu trabalho tem sido premiado a nível nacional e internacional, sendo o Prémio José Afonso, O Globo de Ouro de Mérito e Excelência, O Prémio de Consagração da Carreira, a Ordem do Infante D. Henrique e o Prémio Goya, apenas alguns dos muitos que ao longo da sua carreira já recebeu.
Participou no Filme “Fados” de Carlos Saura e no “Douro Filme Harvest”. Neste último fez questão de dedicar algumas das canções à mítica estrela do cinema Sophia Loren.
Carlos do Carmo tem manifestado ao longo da sua carreira uma constante atitude de solidariedade para com todos os Artistas, Poetas e Compositores que com ele têm trabalhado ou que simplesmente têm participado nos seus espectáculos e colaborado com a sua obra. São numerosos os testemunhos dessa generosa acção de que destaco o Concerto de Homenagem a José Carlos Ary dos Santos.
Sem menosprezar o valor dos outros intervenientes, registe-se o importante papel que Carlos do Carmo. Desempenhou na Equipa Coordenadora que lançou e conquistou para o Fado, o mais alto galardão mundial, passando este estilo musical a fazer parte do Património Imaterial da Humanidade.
Esta nossa Estrela do Fado, nasceu em Lisboa, faz hoje dia 21 de Dezembro, 72 Anos. Ele tem sido considerado uma das maiores referências do fado, com reconhecimento a nível nacional e internacional. Quem o conhece afirma que vamos ouvi-lo durante muito anos. É esse o meu desejo neste dia do seu Aniversário. Bons êxitos Amigo Carlos!
CV – 21.12-2011
Martins Raposo

Sem comentários:

Enviar um comentário